Total de visualizações de página

sábado, 27 de dezembro de 2014

Do Que Se Trata a Corrida, Ou: Rumo Ao Bonfim!

Todo ano, temos um recesso entre o Natal e Ano Novo. Nesse período, é indicado um Cross Training. Mas isso não significa que não possamos correr.

Tudo começou quando Ciro propôs um treino até a Igreja do Bonfim para agradecer o ano e desejar um 2015 repleto de saúde e alegria. Como seria um treino diferente, uma galera topou. E a semana passou com o pessoal marcando o logística.

A idéia era sair da casa de Ciro, no Itaigara, e outra turma nos encontraria vindo de Brotas. 

Mais de 10 pessoas já justificaria um treino desse. Alugamos uma van para nos trazer e acertamos tudo. A Authentic Run faz uma corrida no 1o treino do ano, rumo ao Bonfim, em alguns anos vamos no final e início do ano. Como esse ano o treino será em 2015, fizemos o nosso em  2014.

Durante a semana mais pessoas foram aderindo e uma colega nossa (Camila) que corre com outro amigo nosso, se dispôs a fazer a hidratação, que seria em 4 pontos. As cosias foram acontecendo e se encaixando.

E deu tudo certo: todos no horário marcado na casa de Ciro, saímos e encontramos a 2a turma e seguimos rumo ao Bonfim (cerca de 16,5K). Com 4 pontos de hidratação providenciais com água gelada que tornaram viáveis o treino.

Até aí, no big deal, o ponto é: pela 1a vez, TODOS foram no mesmo pace, sempre em bloco, parando quando necessário para compactar todo o grupo. Eu vim de um ano que treinei pouco e, sinceramente, fui para ter uma meta, um objetivo. 

Durante o percurso, que foi sofrido para mim, tive a cia. de Fernanda e Carlinhos, que deram forças e incentivaram quando tudo ficava mais difícil. Mas as sombras, tempo nublado e uma leva chuva, facilitaram as coisas.

NUNCA treinei com todos correndo tão unidos. Quem conhece o percurso, sabe como é complicado correr no Comércio.

Mas chegamos. E rezamos. Alguns choraram, outros tantos agradeceram.


                                           ******************************


Mas o ponto, é: isso que a corrida nos dá. No programa do canal Off, da Mizuno Uphill, um ultramaratonista diz algo mais ou menos assim: “30 ultras, mais de 100 maratonas, centenas de amigos, é isso que a corrida nos dá”. E começa a chorar, subindo 17K numa serra.

E foi assim nosso treino até o Bonfim.

Mas isso não é tudo. Na volta, Ciro ofereceu um café da manhã quase almoço na casa dele, e ficamos na piscina conversando sobre tudo, e sobre nada ao mesmo tempo.

Seguem as fotos do momento que não esqueceremos tão cedo, e é isso que a corrida nos traz. 

 Comércio.
O cara que teve a idéia. 


Na Contorno. 


O cara. 


No Bonfim. 


Na van. 


 Hidratação.





video
A chagada.



Obrigado a todos os amigos, tanto aos parceiros que correram hoje, quanto aos que estão viajando, e a Authentic Run, pelo sentimento de unidade do grupo.

Alguns corredores como Cláudia e Ademilson (Maratonistas sub 03:30:00 e Meio Maratonistas sub 01:40:000), correram num pace altíssimo para seus padrões, e sentiram no final por terem corrido tão “devagar”.


A todos, que fizeram parte desse último longão do ano, meu muito obrigado, e até 2015!



sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Planejamento 2015

Quem é agoniado não se aquieta. E somos todos agoniados na Authentic. Não que seja típico da maioria planejar com muitos meses de antecedência. Mas todos tem suas metas e anseios.

E sempre cobramos palestras sobre temas, que nós, leigos, precisamos ou gostaríamos de conhecer.

Pois, bem, de tanto pedir, e em meio as inúmeras possibilidades de provas fora do estado, eis que começaremos em grande estilo:


"Olá Authenticos,

Tudo certo ?

Chegou o momento de planejar 2015 e quando todos preveem um ano de dificuldades e pessimismo nacional, por aqui somos Authenticos e com o otimismo sempre em alta.

Neste sábado (13/12), será realizado o I SEMINÁRIO AUTHENTIC RUN E PLANEJAMENTO 2015, sem esquecer do nosso treino, que será bem diferente e anterior a Palestra.

O local escolhido para o evento foi XXXXXXXXXXXX, em que faremos no Pátio, um grande treino funcional específico de corrida com a Professora XXXXXXX (Body Tech Iguatemi), as 06:45, logo depois as 07:45 seguiremos para o Coffee Break que antecederá a nossa Palestra e Planejamento 2015.

Segue:

·         Data: Sabado (13/12).
·         Local: 
·         Horário do treino funcional:   06:45
·         Horário do Coffee Break: 07:45
·         Seminário Authentic Run no Auditório: 08:15

Abraços e vamos em frente......"



Pois é, não é qualquer um que planeja, em dezembro, seu ano - que pode e vai mudar, claro. Mas é um norte.

Costumamos fazer 1 prova internacional, e cerca de 2 fora do estado por ano. Mas tem gente que fez as 4 G4 esse ano, outros que fizeram provas fora da Bahia sozinhos, e por aí vai.

O importante é ter meta. O resto a gente corre atrás



quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Reminiscências

Nunca me canso de relembrar. Uma amiga minha mandou essa foto que tiramos em Buenos Aires. Fomos eu, Lorena e um casal amigo nosso. Junho de 2011. Semanas antes de entrar na Authentic. 

Já se foram 3,5 anos. 7 Meias, incontáveis longões. Inúmeras dores, desesperos por não poder correr, lesões. Mas cada prova tem o gosto da 2a Meia (pq a 1a será sempre a 1a).

Essa emoção é que motiva e faz cada dia querermos nos superar. Se não der, tentamos novamente no dia seguinte.







quarta-feira, 22 de outubro de 2014

A Prova Que Não Foi

Começou no 2o semestre do ano passado. Queria muito sair do eixo das Meias e tentar algo diferente, mas bem distante da Maratona. E eis que surgiu os 25K na Maratona de SP. Singelos 4K a mais que uma Meia, mas com um significado mais que simbólico. Seria deixar de ser Meio Maratonista, para ser…um título qualquer. Mas carregado de conquistas e realizações.

Fiz minha inscrição no ano passado, logo no início das vendas (o risco de perda seria apenas a inscrição, de R$ 70,00). No 1o semestre comprei as passagens. Hotel em SP não é problema. Aliás, o hotel é sempre o último a ser reservado.

Nada mais me tiraria o prazer dessa conquista.

Mas a vida traça caminhos árduos. 

Uma prova de 25K, não é apenas correr 4K a mais, exige longões maiores, treinos específicos, enfim: nada de outro mundo e ao mesmo tempo, mais foco e dedicação. Isso para fazer e terminar bem. "Fazer, fazendo”, dá, e cada um assume seus riscos. Teria (como tenho hoje), 7 Meias nas costas, é uma boa bagagem.

E no final do 1o sem. uma gripe com uma crise de tosse me tirou do prumo uns 2 meses, e atrapalhou mais um. Deu uma descontinuada no ritmo que estava dentro do proposto. Novas demandas do trabalho exigiram mais dedicação e as obras do apartamento novo consumiram outra parcela. Nem tanto pelo tempo (administrar é uma arte), mas pelo foco, curso das coisas, cabeça dividida num momento que deveria convergir cada vez mais, na reta final, para os treinos e prova.

Olha, eu confesso que desmarquei minha passagem na semana da prova. Sabe quando você não quer apertar o ENTER e fica olhando para o dedo sem coragem? No finalzinho, estava treinando, fazendo o que deveria bem, mas distante do que exigido. Não fazia sentido ir por ir, sem bagagem, sem estar devidamente preparado. Havia feito 2 Meias em Salvador (a da Caixa em junho, e a Mizuno em setembro), além da G4 Rio em abril.

Era a forma de me sentir dentro, de não me distanciar. Mas foram provas difíceis, sem baixar tempo, e me criticando do motivo de não estar melhor. Nos treinos de rua ia até bem, mas o rendimento nas provas caía.

Não dava, não fazia sentido. Não era pra ser. Eu juro que se fosse em Salvador, eu iria, do jeito que fosse, mas iria. Mas ir para SP só para dizer havia ido, não tinha porque.

Na semana anterior, uma corredora nova no grupo estava indo para a prova, e Ulisses me apresentou a ela, que se ofereceu para pegar o kit. Coisas de Deus…rsrs.

E ela pegou, e as medalhas também!. E com apenas uma Meia, fez os 25K (considerações em outro Post). Obrigado e parabéns, Camila!

E eis uma parte do kit (os comestíveis ficaram lá…rs).







Camila não fez a prova como gostaria (todos nós passamos por problemas), e quer voltar ano que vem (se nada me atrapalhar, eu também).

No planejamento de provas que estamos fazendo para 2015, existe uma possibilidade de fazermos 30K em Buenos Aires em julho. Talvez um passo bem esticado, mas como somos muitos Meio Maratonistas, quem sabe essa evolução larga seja possível.

O fato é que, seja 25K em SP, 30K em Buenos Aires, ou uma Mountain Do de 23K, o fato é que, em 2015 faço uma além de 21K. Os objetvos estão determinados, e vão se encaixar. Um passo de cada vez, e um caminho será seguido, com calma e planejamento.


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Olha Nós na Mizuno!

E não é que a Mizuno fez um vídeo de agradecimento da Half Marathon? 

São 02:06, e com 1 min., aparecemos nós, da Authentic Run em bloco, na largada. No canto esquerdo da tela, as camisas amarelas com as mãos levantadas.


E aos poucos, vamos tomando as ruas...rsrs.

Márcio Goes, foi quem viu e deu a dica!




segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Imersão em Água Gelada Funciona?

Ontem, na prova da Mizuno, tivemos uma novidade na Authentic Run: banheira para banho de água gelada. E não foi uma adaptação, não. Foi um equipamento feito para esse fim e importado.




Consiste no seguinte: a banheira é inflada com um equipamento que injeta ar frio, mantendo a temperatura baixa, e mantendo a água gelada (não "gelada", mas quase congelada). Como esse equipamento exige um ponto de força, e não havia um disponível na arena, foi usado um compressor portátil com bateria recarregável, e colocado gelo para manter a temperatura baixa.

A idéia é que, após a prova, os corredores façam uma imersão na banheira para se recuperarem do esforço e prevenirem lesões. E numa prova como a de ontem, qualquer ajuda seriam bem vinda.

Mas, vamos aos fatos: esse tratamento funciona mesmo? Ou é só mais uma novidade?

Quando terminamos uma Meia, as pernas estão doloridas, cansadas, pesadas, e no dia seguinte, a parte posterior da coxa incomoda. Isso sem contar as características de cada um, como dores na panturrilha, quadríceps, cãibra, etc.

Gelada é pouco para descrever a temperatura. Pra dar uma idéia, os pés doíam quando colocados dentro da água. Já as pernas, depois do susto, acomodaram bem.

Mas, vamos lá: ao sair da banheira, mal sentimos as pernas (e eu não passei os 5 min. recomendados), e, consequentemente, nada de dor. Isso de prolonga ao longo do dia: a fadiga típica depois de uma prova dessa, não incomoda. Eu dormi como faço sempre após correr essa distância, mas as pernas não me incomodaram.

No dia seguinte, as dores na parte posterior da coxa, até os glúteos incomodam, e não senti um incômodo sequer. Vamos ver amanhã, quando completam as 48 horas fatídicas..rsrs.

Aliás, os elogios dos feitos benéficos foram recorrentes entre o pessoal do grupo que deu o feed-back. Ninguém achou o efeito inócuo. 

Lembra daqueles tonéis cheios de água com gelo que os atletas entram? Esse é o conceito, só que com um equipamento mais adequado, mais moderno. 

So o objetivo é atenuar as dores e prevenir outras nos dias seguintes, a meta foi cumprida. 

Só nós tivemos esse equipamento em toda a arena, entre todas as assessorais presentes. 

É um equipamento importado, que a Authentic usou por uma parceria com o importador, para testar e divulgar. Espero, que a dela chegue logo para alegria e saúde de todos.





Longe de ser uma moda, entre todos os que experimentaram, os benefícios foram positivos e unânimes.



Mizuno Half Marathon A Prova

A etapa da Meia Maratona da Mizuno em Salvador foi marcada uma uma alta expectativa em função da organização da 10 Miles do ano passado. Embora com promessa se sol forte, o pessoal compareceu.

O percurso, foi um pouco diferente das demais provas, saindo do Jd. de Alah, indo sentido Barra, mas retornando no início da Manoel Dias, entrando na Magalhães Neto e voltando, seguindo sentido Itapoan, e retornando até o Jd. de Alah. Naquela região, não tem muita opção de percurso.

Embora nublado no início, fazia calor. E depois o sol saiu forte. O calor e o vento atrapalharam e comprometeram os resultados de quem queria um RP, embora alguns tenham conseguido, claro.

Eu participei para ter um compromisso e não ficar "solto", mas como falei no Post anterior, não estava condicionado, ainda mais para uma prova com esse clima de Salvador. 

Por volta do KM 7, pensei em voltar, me perguntei o que estava fazendo ali. E a cada Km, ia olhando a vida passar, contando uma história para mim, e ia levando. Mas foi duro. 

Valeu para melhorar o condicionamento. Seguir em frente, sempre.

Uma corredora do nosso grupo, Cláudia Paim foi marcadora de ritmo. Quem correu com ela, fez a prova em 02:00:00. Saímos todos juntos, em bloco, e no KM3 cada um já havia seguido no seu ritmo.

A organização da prova foi muito boa: água a cada 2K, Gatorade em 2 pontos, esponja em mais 2, DJ no retorno. Mas o pré-prova é que encanta: tudo fui bem.

Claro, pegamos alguns pontos com água natural, o som do DJ estava um pouco baixo, mas, no geral, as coisas funcionaram bem. As provas, no geral, são semelhantes. o que diferencia, é o serviço e percurso. E em matéria de serviço, a Mizuno mostrou que sabe fazer.

7a Meia e 3a do ano.





O que foi usado: Tênis Saucony Triumph10, polaina de compressão OG, Bermuda de compressão R2L, Relógio c/ GPS Polar RCX5, 4 torrões de açúcar, BCAA e Gatorade Prime.



sábado, 27 de setembro de 2014

Mizuno Half Marathon Etapa Salvador


Desde a Mizuno 10 Miles, a Mizuno deu um show de organização e atenção aos corredores.

Agora que ela oferece 2 modalidades de prova (Circuito das Estações e Half Marathon), além da Uphill, era quase uma obrigação participar da etapa Salvador.

Não participaria se fosse em outro lugar, nem de outra Meia Maratona aqui mesmo, pois estou treinando pouco desde que fiquei gripado e tive um bronco espasmo com tosse forte, que me tirou do ritmo, além desses meses terem sido difíceis em função do trabalho e de estar me mudando. Tudo junto e misturado ao mesmo tempo.

Mas, claro, a vontade nunca diminuiu. E a oportunidade para ter uma meta e me jogar novamente nos 21K vieram com essa prova.

Fiz minha inscrição na semana passada (sábado). Hoje fui retirar o kit (o único dia reservado para esse fim).

A entrega é numa mini arena. Além da entrega dos kits - onde podemos escolher e trocar o tamanho da camisa na hora, tem a Mizuno Store, o teste de pisada, o Care Center, com massagem, o mapa da prova, água mineral, e outros de apoio, como o do VO2 (que estava vazio), um de música, etc.


Claro que, como estava vazio, fica mais fácil ser bem atendido, mas desde a prova do ano passado, pudemos perceber a atenção aos detalhes. Não tem nada de outro mundo, mas as coisas funcionam. No Brasil, fazer o que se promete - ou superar um pouco que seja, já é diferencial.

O KIT



O Kit não difere muito dos demais:

- Camisa de secagem rápida
- Viseira
- Número do peito
- Chip (isso ainda é um diferencial: não ter que pegar o chip na hora)
- Pulseira
- Prendedor de número de plástico (outro diferencial: até hoje uso os que recebi na 10 Miles). Tem também os tradicionais de clipe.
- Sacola (gym bag)
- Manual do Atleta com percurso e indicações de pontos de água, Gatorade, esponjas, etc.

A camisa é bonita. Simples, mas charmosa. 21K Mizuno Half Marathon na frente, e 21K no verso. A Masculina é azul, e a Feminina, verde, com decote. Da mesma forma que diferenciaram ambas na 10 Miles.

Essa é uma prova com organização muito boa, o que nos deixa tranquilos. A Golden Four  Asics já se consolidou como uma prova rápida, organizada, plana na sua quase totalidade, com uma mini expo na entrega dos kits, e Gatorade a cada 3K (na Mizuno, serão 2 pontos). A Mizuno tem a tarefa de se diferenciar no formato, mimos e inovação. O "algo mais" a ser buscado. 

Vamos torcer para o sol dar uma trégua. Ajuda aí, vai São Pedro! 

domingo, 21 de setembro de 2014

7 Dicas Para Correr Nos Dias Quentes

Não tem jeito. Quem corre e treina em cidades tradicionalmente aquentes (Salvador entre elas, sabe quão difícil e sofrido é suportar o sol forte e escaldante. Tema recorrente entre nós, no grupo de corrida.

Correntes dizem, inclusive, que os quenianos levam tanta vantagem, por treinarem numa região quente, o que facilita disputarem prova em qualquer lugar do mundo, Brasil incluído, mas essa análise é simplória.

Realmente não é fácil. O lado bom: quando corremos em outro estado ou país, a prova se torna menos desgastante.

Nos dias muito quentes, procuro não fazer um treino muito forte, nem um treino mais longo. Nas provas, pego água em todos os pontos de hidratação (algumas vezes, 2 copos).  Não bebo mais que 3 goles (por isso não deixo de pegar em nenhum), bochecho para a boca não ficar seca, e o resto, jogo na cabeça, pescoço e costas.

Assim, o corpo sente menos o sol, e se mantém equilibrado.

Vale ressaltar que essa administração da água, não contempla treinos mais longos (16 ou provas de 21K). Nesses casos, bebidas isotônicas, gel, etc. complementam, mas isso não está necessariamente relacionado ao calor, e sim, ao tempo do treino/ prova. Ou seja, é uma outra história.

Essas, foram do Portal O2:



7 dicas para correr nos dias quentes
Correr nos dias quentes (e de baixa umidade do ar) requer cuidados especiais, para que você não desidrate ou tenha insolação. Saiba com o que se preocupar




Ainda estamos no finalzinho do inverno (a primavera começa dia 23 de setembro). Mas os dias quentes já começam a dar as caras. Para correr em dias assim, com baixa umidade também, é preciso tomar certos cuidados. Você está se exercitando ao ar livre e o calor pode danificar um número espantoso de células, se o corpo não conseguir dissipar as altas temperaturas por meio do suor.

Por isso, em dias com temperaturas escaldantes, não faça os seus treinos das 11h às 16h e evite, a qualquer preço, fazê-los com o sol direto sobre o seu corpo. Isso porque as altas temperaturas fazem com que o organismo tenha de sequestrar grande parte do sangue que está abastecendo os músculos para providenciar o resfriamento das grandes cavidades e impedir o aumento da temperatura interna — o que provocaria a nossa morte. Com isso, o coração acaba tendo de se esforçar demais para dar conta desse mecanismo de sobrevivência. Então, respeite este mecanismo do corpo e corra mais devagar, quando o termômetro estiver lá no alto.

Correr forte em dias quentes não é recomendado, já que a função do exercício é apenas levar o seu coração a sair da zona de conforto. Para tanto, uma pequena corrida ou mesmo uma caminhada já é o bastante para aumentar a frequência cardíaca, que é o objetivo do trabalho cardiovascular.

Mais: correr no calor e com baixa umidade pode colocar a sua saúde em risco, já que a chances de você desidratar, sofrer com insolação ou outras doenças relacionadas ao calor é muito grande. Para evitar problemas, não deixe de seguir as sete precauções que listamos abaixo:

1. Mantenha-se hidratado
Beba bastante água durante todo o dia e, faltando uma hora para treinar, abasteça-se com isotônico. Durante a corrida, não deixe a água de lado e, caso seja um longão, a bebida esportiva também pode ajudar. Depois do treino, os líquidos precisam ser, novamente, repostos.

Os sinais mais comuns de desidratação são urina escura, perda de energia, tontura, falta de coordenação, cãimbras, dor de cabeça e fadiga. Use a água, também, para se refrescar, molhando a cabeça, o pescoço e os pulsos.


2. Cuidado na escolha da roupa
Escolha peças bem leves, confortáveis, folgadas e de cores claras, para que o corpo transpire tranquilamente e possa se resfriar. Roupas escuras absorvem a luz do sol e o calor, por isso não são recomendadas. As apertadas restringem a circulação e podem fazer com que você se sinta mal. Evite tecidos de algodão, que molham com o suor e demoram mais tempo para secar.

Acessórios também podem ajudar a protegê-lo. Bonés, viseiras e óculos de sol são indicados.


3. Corra mais cedo ou mais tarde
O calor entre 10h e 16h é muito grande, portanto, escolha correr pela manhã ou após o entardecer. Caso não haja outra opção, procure um parque arborizado ou onde tenha sombra e hidrate-se ainda mais. No começo do dia, há uma vantagem: o asfalto está mais frio, diminuindo o calor.


4. Cheque a previsão do tempo
Preste atenção à temperatura e à umidade relativa do ar quando sair para correr. Em um dia muito quente e pouco úmido, o sistema de resfriamento do corpo não funciona de forma eficiente, podendo causar até hipertermia (elevação da temperatura corporal). Por isso, não faça treinos muito puxados nessas condições. Reserve-os para os dias mais amenos.


5. Aposte nos respingos
Use água para resfriar o corpo durante a corrida. Se você está superaquecendo, jogue um pouco da bebida sobre a sua cabeça, para se refrescar.


6. Invista na alimentação leve
Frutas, verduras e legumes são boas opções para os dias mais quentes. Evite alimentos gordurosos como frituras, queijos e embutidos. Isso fará com que o seu corpo precise de mais energia para fazer a digestão e o deixará mais fraco para os treinos.


7. Use protetor solar

Ele deve ser à prova d’água e com fator de proteção de no mínimo 15 FPS. É indispensável em todos os treinos, mas quando o sol está muito forte você não pode deixá-lo de lado de forma alguma. O protetor solar evita queimaduras, câncer de pele, além de manter o corpo um pouco mais fresco.